Os Duros Golpes da Goleada Histórica

Os Duros Golpes da Goleada Histórica

17 132

Dor, vexame, humilhação, constrangimento… Empregamos essas palavras com destreza na descrição do dano moral. Mas nunca foram tão adequadas para exprimir o que os brasileiros sentimos desde a última terça-feira, somado ao quarto lugar com sabor de laranja azeda! Na fatídica tarde daquele dia, foi arremessado do espaço um granito sideral, de dimensões colossais, causando a extinção do orgulho do brasileiro. Nosso futebol, que exerceu longo predomínio sobre os gramados da Terra, chegou à extinção!

A telemática nos propiciou ao vivo, a cores, em High Definition, a visão apocalíptica do fim da era das manobras fantásticas; da exuberância plástica e funcional da “bicicleta” de Leônidas da Silva; do divino gênio da bola encarnado em Garrincha — gols certos por pernas tortas! —; das explosões de força e talento do rei absoluto Pelé — a definição mais completa de futebolista! —; do “elástico” preso à bola pela chuteira esquerda de Rivelino; do pequeno grande Romário, o  homem-gol moderno; da representação nos campos da mitológica Fênix na pessoa do primeiro Ronaldinho; do futebol frenético do segundo Ronaldinho — pés ligeiros, olhos que veem além, balançou a rede como ninguém! —; do ciclismo invisível das “pedaladas” de Robinho; do flow bailado e gingado do Neymar; dos inúmeros jogadores extraclasse que pareciam comuns fora dos estádios e se revelavam mutantes X-Men diante dos adversários!

Quando as “ondas renovadoras” do acesso à justiça foram difundidas pelo mundo, era pouco provável que o seu idealizador, o italiano Mauro Cappelletti, tivesse em mente que a segunda onda, representativa do embrião da tutela coletiva dos direitos, traria um recado para a maior prática desportiva do planeta. Não havia mais espaço para processos individuais que automatizam os juízes na tarefa de exímios enxugadores de gelo, como não há mais lugar para o espetáculo das individualidades sobre gramados povoados por 22 jogadores…

Em todos os setores e segmentos, sob todos os ângulos e prismas, o ser humano é coletivo, social, conectado com iguais e desiguais, em troca permanente de passes longos ou curtos, tabelas rápidas ou lançamentos, da defesa ao ataque, atravessando o meio de campo, com volante ou armador… Esfregando os olhos para enxergar as menores partículas, vemos que essa é a realidade estabelecida em toda Natureza: a cada dia se descobre que a matéria mais elementar é o resultado da associação de outras ainda mais primárias… Assim foram conhecidos os átomos, mais tarde partidos em prótons, nêutrons e elétrons; seguidos dos quarks, léptons, glúons; até se chegar aos fótons ou bósons, as “partículas de Deus”… Apenas o início da sondagem da coletividade em escala nanométrica em direção ao infinitesimal…

Resistimos o quanto pudemos, trombamos como um goleador sem habilidade, mas a democracia, enfim, alcançou os palcos verdejantes para inaugurar o que Rosseau e Gramsci já anunciavam como videntes da Ciência Política. A “vontade geral” ou “vontade coletiva” prevalecerá na formação de uma nova ordem, também constituída de uma necessária reforma intelectual e moral.

Podemos concluir que assistimos a mais branda e silenciosa das revoluções, em que o jurássico individualismo cede para o nascente coletivismo popular brasileiro? Será que as lágrimas derramadas com as derrotas em campo regarão a semente da metamorfose do Brasil ? O país continental, pleno de riquezas naturais, cujas fronteiras são as linhas bem traçadas de um coração que pulsa emoção e compaixão, que acolhe sem distinção, cumprirá sua missão? O dano moral que abateu o grupo miscigenado de indígenas, portugueses, africanos, imigrantes, perseguidos, exilados, apátridas obterá como “autoindenização” o despertamento da alma vitoriosa de um só povo, da adormecida nação brasileira?

Share on Google+Tweet about this on TwitterShare on FacebookDigg thisEmail this to someoneShare on TumblrPin on Pinterest
Jurista, articulista e cronista jurídico. Pensador nas horas vagas.

17 comentários

  1. D. Menezes, muito bom. É o futebol deixando de lado a ideia individualista e se entregando às noções de solidariedade e coletividade, tão presentes hoje no campo jurídico. Garth e Cappelletti já davam a dica!
    A Alemanha está de parabéns, um país que a um pouco mais de um século enfrentava dificuldades econômicas e estava arruinado. Mesmo após dois reveses seguidos em guerras, conseguiu dar a volta por cima economicamente e culturalmente. Um verdadeiro exemplo não só no esporte. Que sirva de exemplo ao Brasil.

    (0)
    • Concordo, Dalton! Pelo talento e pela simpatia, inclusive ao homenagear os pataxós, a Alemanha pôde de despojar mais um pouco do estigma que há tanto carrega.

      (0)
      • Acrescento ainda que seus apontamentos foram precisos, Dalton. Corrigiu minha injustiça ao esquecer de mencionar o companheiro de Cappelletti, Bryant Garth.

        (0)
  2. Seria bom! Lembro de uma imagem do Neymar em um desses jogos dizendo: “Só preciso de uma bola!”. Na hora pensei: É muito pouco! O eu sobre o nós. Tiraram a estrutura e a bola dele com um chute na coluna e o Neytime se perdeu. O time da Alemanha veio dar o “ar da graça” e deu. Entraram felizes e dispostos no Brasil mas não se fiaram só na emoção. Eles se divertiram no Brasil mas se prepararam muito bem para jogar aqui. Foram superiores, sem arrogância. Repetiram a palavra “time” dezenas de vezes, a cada fim de jogo. Foram um time de verdade a cada jogo. Muitos brasileiros, ao final, torcemos para eles. Eles nos deram uma goleada e despertaram a admiração por saber ganhar (a minha também). Gostei muito das suas comparações, caro D. Menezes. O coletivo é a saída. Somos da era “infinitesimal”. Só tenho dúvidas se estas sofridas partidas de futebol darão a partida na nossa metamorfose necessária. Sinto que ainda estamos todos em uma grande espiral de conhecimento, com níveis muito distintos e conclusões muito distantes.

    (0)
  3. Perfeito! Está ai uma das melhores e mais raras vontades do Ser Humano… “vontade coletiva”. Sempre que esta prevalecer colheremos bons frutos, seja no esporte, no trabalho ou na vida!

    (0)
  4. O trabalho em grupo sempre vencerá o individualismo! Não basta termos vários craques em uma equipe, tem que existir a união!! Um craque sozinho não consegue driblar e fazer um gol! Assim como no futebol, temos exemplos na vida e no trabalho! Juntos somos um só!! Sozinhos não somos ninguém!!!

    (0)
  5. Para que uma equipe execute um bom trabalho, antes de mais nada é necessário um bom líder, que ensine, trabalhe junto, reconheça os esforços de todos, onde o erro ou o acerto não é de um ou de outro, mas sim sendo todos responsáveis pelo que acontece.

    (0)
  6. O trabalho de renovação começa na educação das crianças que estão iniciando o desporto. O investimento nas categorias de base precisa começar na escola. Que sejam passados: disciplina, diretrizes, aplicação, responsabilidade social e humildade. A seleção campeã atingiu o apogeu coletivo após a educação dos jovens que hoje são campeões do mundo. Já a decadência do futebol brasileiro está justamente na falta de educação dos jogadores.

    (0)
  7. Esse título da Alemanha foi mais do que merecido. Eles mostraram o que é um verdadeiro time,
    esbanjando talento, humildade e simplicidade. Sem falar que em apenas 1 mês, esse time fez mais pelo nosso país do que a maioria dos nossos políticos fizeram nesses últimos 4 anos. Eles doaram dinheiro para uma tribo indígena, doaram ambulâncias, reformarão uma escola municipal que será de tempo integral, irão construir um campo de futebol para moradores da região. A seleção Alemã deu um verdadeiro choque de realidade na seleção brasileira, para mostrar a essa sociedade que é patriota apenas de 4 em 4 anos, que esse nosso futebol está muito mais que ultrapassado. E a Alemanha não deu apenas uma goleada de 7×1 não. Enquanto eles estão em 5º lugar no ranking do IDH, nós estamos em 85º. Na saúde pública, eles estão em 25º e os nossos maravilhosos hospitais estão em 125º. E não é só isso, enquanto a Alemanha possui 102 prêmios Nobel, o Brasil não possui nenhum, até porque nesse país o que importa mesmo é se vangloriar apenas por sermos pentacampeão no futebol…

    (0)

Deixar um resposta