Relíquias Saqueadas

Relíquias Saqueadas

4 122

O lançamento da produção cinematográfica “Caçadores de Obras-primas”, estrelado por George Clooney, Matt Damon, Bill Murray e Cate Blanchett, entre outros premiados atores, escava a História e resgata o dilema a respeito da arte roubada durante as guerras. O filme, inspirado no livro homônimo de Robert Edsel, retrata a missão desempenhada por historiadores de carreira consolidada, que, por ocasião da 2ª Guerra Mundial, propuseram o seu alistamento para comporem a tropa de soldados formada pelos aliados e seguirem no front, impedindo que monumentos históricos e culturais fossem destruídos e transformados em reles escombros de guerra.

A nova sensação dos cinemas certamente homenageará os chamados “homens dos monumentos”, assim rotulados pelo próprio Robert Edsel. Antes de cumprirem com o papel não fictício a que todos podemos hoje render graças ― recordando que “A Última Ceia” de Leonardo da Vinci foi uma das obras salvas de um bombardeio ―, o “pelotão destacado”, antes de ser constituído, teve que convencer o presidente norte-americano Franklin Roosevelt da importância da sua criação para preservar o acervo cultural e hereditário da Humanidade.

A preservação do patrimônio histórico é obra a que se consagram museus de todo o mundo. E de alguma forma há uma complacência geral quando obras pilhadas de um país inimigo de guerra são exibidas em outras galerias mesmo após o término do confronto que contrapôs nações irmãs. Alguns detalhes sobres os “espólios de guerra” podem ser consultados no interessante post de Olavo Saldanha.

O que pensar, porém, da pilhagem colonial? Mesmo após a aprovação pela Organização das Nações Unidas da Resolução 42/7, de 21 de dezembro de 1987, que versa sobre o “retorno ou restituição dos bens culturais a seus países de origem”, é renitente a recusa dos museus do Norte em ceder ao argumento sintetizado no preâmbulo do ato editado pela ONU: “a devolução dos bens culturais de valor espiritual e cultural a seus países de origem é de capital importância para os povos envolvidos, para que se construam coleções representativas de seu patrimônio cultural”.

A debatida questão volta à cena não apenas com o filme dirigido e protagonizado por George Clooney, mas quando ativistas ugandenses pleiteiam que um dos mais renomados museus europeus, o Museu Pitt Rivers, mantido pela Universidade de Oxford, restitua relíquias saqueadas do antigo reino de Bunyoro-Kitara. A peça pilhada que mais faz falta é um trono de nove pernas do rei Kabalega, supostamente roubado pelo coronel Henry Colville em 1894, quando atuava como comissário na colônia inglesa.

Segundo o jornal britânico The Observer, publicado hoje, dia 24 de junho, o diretor-adjunto de coleções do Museu Pitt Rivers, Jeremy Coote, afirmou que um banco cerimonial que está em exposição não se tratado trono real reclamado, que teria sido saqueado em 1894, mas de outro, doado à coleção em 1922 em prestígio à cultura e estilo de vida da parte ocidental de Uganda.

As pilhagens da guerra são bárbaras, viabilizadas pela violência, deixam estragos! Fatos assim sempre causarão horror à primeira vista e sensibilizarão através dalente de câmeras. Mas, e quanto ao roubo disfarçado, de duração continuada, numa opressão que esmaga a própria dignidade de um povo, ao modo colonial que predominou no Hemisfério Sul? O que você pensa dos efeitos que perduram por muitas gerações, cuja história é contada tendo ao fundo o conhecido cenário das ditaduras, sem que a sua causa seja realmente explicada…?

Avatar
Jurista, articulista e cronista jurídico. Pensador nas horas vagas.

4 comentários

  1. Não sei se esta ‘obra’ foi roubada também como o trono de 9 pés de Uganda mencionado no texto, mas o mesmo questionamento fiz ao visitar o Metropolitan Museum of Art em NY e me deparar com esta que é uma das peças de maior destaque da coleção do museu – o Temple of Dendur. Um pórtico e um mausoléu do período Egípcio Romano, datados de 15 A.C. e montados ali como se tivessem sido construídos naquele local. É no mínimo curioso. E me pergunto: será que também não foram roubados? Será que elas não pertencem ao Egito? Como foram parar em NY?

    • Vamos apimentar um pouco mais essa polêmica. Antes, contudo, já aqui deixo bem claro que não defendo o saque de absolutamente nada. Então vamos la: Os grandes e históricos monumentos no mundo não são considerados como patrimônio tombado da humanidade? Não se tornam universais de todo o mundo? Quais são os patrimônios histórios e/ou arqueológicos do Brasil? Quantos conhecemos? Quais são os principais e importantes museus brasileiros? Pois é. Não temos um acervo histórico. E não o tempos porque distruímos tudo que pela nossa frente passou. Não seria melhor, então, que grandes obras ficassem muito bem acomodadas, acessíveis e seguras em museus grandes e visitados no mundo, como é o caso de NYC, London, Paris etc? Ou será que devemos devolver as múmias para as tumbas do Egito e privar toda uma sociedade universal de conhecê-las?

      • Poderíamos pensar em um museu administrado pela ONU, com um acervo constituído por doações dos países e colecionadores que quisessem contribuir com a reunião do patrimônio histórico e cultural em um lugar.
        O que incomoda é a ideia de algumas nações avocarem a condição de defensores eméritos das conquistas da Humanidade…

Deixar um resposta