Valores: estarão eles a ajudá-lo?

Valores: estarão eles a ajudá-lo?

Valores: estarão eles a ajudá-lo?
Valores: estarão eles a ajudá-lo?

Descubra como fazer com que os seus valores trabalhem a seu favor!

 

Os nossos valores são, estando alinhados numa escala de valores coerente ou desalinhados numa escala de valores sem priorizações, o filtro que usamos nas tomadas de decisões ao longo das nossas vidas. Isto torna-se absolutamente perceptível se reflectirmos um pouco sobre a extrema dificuldade que temos e o quão penoso para nós é se nos obrigarem a tomar uma decisão que viole a nossa escala de valores. Se, tendo em conta a nossa escala de valores a Honestidade e Rectidão são valores que prezamos e que estão no topo dessa escala, muito dificilmente tomaríamos decisões e, por consequência, acções que nos levassem a ser “menos honestos” ou “menos rectos”. Esta simples ideia mostra a correlação directa entre as nossas decisões e consequentes acções com os valores pelos quais nos pautamos.

Torna-se essencial trabalharmos os nossos valores por forma a encaminharmo-nos no sentido que desejamos para a nossa vida tomando acção nesse mesmo sentido. Trabalhando os nossos valores tornar-nos-emos seres Humanos com maiores aptidões para lidar com todos aqueles que possuem uma escala de valores distinta da nossa, colocando-nos na sua posição, o que reduz os juízos de valor negativos em relação aos outros fruto de os olharmos e avaliarmos pelo nosso e não pelo seu filtro de valores.

Esse trabalho sobre os nossos valores também nos torna pessoas melhores para nós mesmos. Faz com que, mentalmente, nos ordenemos de forma coerente, alinhando os nossos valores às nossas decisões e acções para nos dirigirmos ao exacto objectivo que perseguimos sem desvios labirínticos de desorientação.

Se a orientação e caminho da nossa vida é coordenada pelos nossos valores, trabalhando os valores estamos, em última análise, a trabalhar a nossa vida, o nosso Futuro. Tornamo-nos conscientes de todo o processo e do exacto posicionamento dos nossos valores entre todos os que formam a consciência valorativa social onde todos estão em relativo pé de igualdade. Passamos a poder mudar o nosso discurso em função dos nossos valores pois podemos substituir o“Eu acho” , o “talvez” o “não tenho a certeza” por expressões poderosas como “É minha convicção profunda”, “Eu acredito que” ou “Tenho por verdade que”.

O que fizemos foi, basicamente, através de um processo de reflexão acerca dos Valores que já tínhamos se bem que mais ou menos dispersos e desordenados, e organizámo-los numa escala absolutamente poderosa e vital a que se chama escala de valores. Toda a gente tem valores, sendo eles bons ou maus valores, no entanto, a grande crise de valores está no facto de, poucos, terem escalas de valores. Chegamos assim á ideia de que todo o sucesso ou insucesso é afinal também uma questão de Valores.

Os valores têm o poder de nos aproximar ou afastar dos nossos sonhos. É com base nestas constatações que Sir Walter Scott (1771-1832), um histórico autor, escreveu que “todos os homens que foram valiosos em alguma coisa puseram a ênfase na sua própria educação”, e isto justamente porque souberam e conseguiram identificar e organizar os valores poderosos que lhes foram passados ao longo do seu processo de crescimento pessoal para alcançarem realizações importantes e marcantes. Tornaram-se pessoas de valor, pessoas de convicções fortes, pessoas melhores para si, para os outros, para a sociedade e para o Mundo.

Como reflectiu o escritor Milan Kundera(1929-…),  “o valor de um ser humano reside na capacidade de ir além de ele próprio, de sair de dentro de si próprio, de existir dentro de si próprio e para as outras pessoas”.

E então, estarão os seus Valores a ajudá-lo?

 

Grato por ter lido este artigo. Se achou o artigo interessante por favor coloque “Like” e partilhe.

Share on Google+Tweet about this on TwitterShare on FacebookDigg thisEmail this to someoneShare on TumblrPin on Pinterest
Pedro J. de Moura
Autor: Pedro J. de Moura nasceu em 1991 em Cascais onde estudou. Mais tarde, após concluir o ensino secundário ingressou na Universidade de Lisboa. Os conceitos dogmáticos e as verdades inquestionáveis nunca lhe fizeram muito sentido. Assim sendo, encontrou na Internet um veiculo para se expressar de forma livre e criativa enquanto Autor, Designer e Internet Marketer.

Nenhum comentário

Deixar um resposta