“O essencial é invisível aos olhos”

“O essencial é invisível aos olhos”

"O essencial é invisível aos olhos"

Esta  história é uma metáfora para muito do que não vemos na vida…

A certa altura o meu objectivo era ter uma árvore que me desse frutos. Então, sem qualquer conhecimento sobre a matéria, agarrei numas sementes que encontrei e deitei-as á terra num pequeno espaço vazio no meu terreno. Cuidei das sementes o melhor que sabia e podia.

Sem me dar conta, de baixo da terra, a semente criou raízes, as raízes começaram a sair para fora mostrando um pequeno caule e o caule gerou as primeiras folhas. O meu entusiasmo ao assistir a este processo era enorme.

A seu tempo o caule tornou-se tronco, os ramos engrossaram e as folhas formaram a copa da minha árvore. Era a minha árvore de fruto… só faltavam os frutos.

Um pouco mais de paciência e cuidado com a agora árvore e os primeiros frutos nasceram, cresceram e, por fim amadureceram.

Mal acreditava que tinha a minha árvore de frutos tal como tinha idealizado á uns meses atrás.

A minha ideia era poder comer esses frutos estação após estação, contribuindo tanto para a minha saúde como para as minhas economias.

Chegado o dia de colher todos os frutos já maduros da árvore, pensava em como eram tantos e como os iria saborear momentos a seguir.

Havia chegado o momento…provei-os e…o seu sabor era um tanto ou quanto mais forte daquele que eu esperaria…era mais ácido, menos doce. Eram, na verdade limões e, ao contrário do que planeie, não consegui comer nem um inteiro.

Fiquei desanimado e pensei : talvez com outro tratamento nasçam frutos diferentes, agora já não estou disposto a arrancar a árvore que tanto trabalho me deu a plantar e cuidar.

Acontece que, a Natureza não falha e, na estação seguinte lá tinha eu a árvore carregada de limões, mesmo tendo feito tudo de forma diferente com o intuído daquela árvore dar um fruto diferente. Eu queria algo com um sabor mais suave, menos forte, queria maçãs…

Um limoeiro é e será sempre um limoeiro. Se desejas frutos diferentes, não só a semente que plantas tem de ser diferente como, se tiveres pouco espaço no teu jardim, terás de arrancar pela raiz a árvore que se encontra no lugar onde tu queres plantar a que desejas.

Queres maças? Tens de usar as sementes que irão fazer nascer uma macieira e arrancar o limoeiro que se encontra nesse lugar, por muito grande que ele já esteja.

No fundo, temporariamente, é como trocar o “tudo” por “nada”, na verdade o limoeiro já estava robusto e, quando o arrancas, no seu lugar, apenas colocas umas minúsculas sementes que mal se vêem.

Mas uma coisa é certa…vai conseguir ter maçãs!

Share on Google+Tweet about this on TwitterShare on FacebookDigg thisEmail this to someoneShare on TumblrPin on Pinterest
Pedro J. de Moura
Autor: Pedro J. de Moura nasceu em 1991 em Cascais onde estudou. Mais tarde, após concluir o ensino secundário ingressou na Universidade de Lisboa. Os conceitos dogmáticos e as verdades inquestionáveis nunca lhe fizeram muito sentido. Assim sendo, encontrou na Internet um veiculo para se expressar de forma livre e criativa enquanto Autor, Designer e Internet Marketer.

Nenhum comentário

Deixar um resposta