5 grandes desafios na vida de um empreendedor

5 grandes desafios na vida de um empreendedor

2 113
5 grandes desafios na vida de um empreendedor
5 grandes desafios na vida de um empreendedor

O empreendedorismo é uma jornada de go to site transformação pessoal. Em primeiro lugar temos de ser empreendedores de nós mesmos. Isto implica uma procura incessante pela http://tikkunspa.com/product-category/product-category/?orderby=price-desc evolução e o order generic Lyrica aperfeiçoamento de nós mesmos e de tudo o que fazemos.

Empreender é o desejo de criar, de ter ideias e de levá-las obcecadamente para a vida real. É um caminho bastante solitário onde o nosso melhor amigo e, ao mesmo tempo, pior inimigo é a nossa própria mente. Sendo que “tudo é criado duas vezes”, uma na nossa mente e outra na realidade, é a “qualidade”do nosso Mindset ( = configuração da mente) que dita todos os resultados.

Uma mente bem configurada permite a superação positiva dos desafios. Uma mente mal configurada, repleta de crenças limitantes, conduz a uma não superação ou superação deficiente desses mesmos desafios.

Todo este percurso é fértil em desafios pessoais que nos empurram a sermos progressivamente maiores que esses mesmos desafios de maneira a superá-los. Sim porque só podemos superar um desafio quando somos maiores do que ele! É como o confronto entre dois vectores força: o maior anula o mais pequeno.

Desta forma, entre essa vasta lista de desafios, 5 apresentam uma grande preponderância na vida de um empreendedor.

São eles:

1 Manter a motivação

O que é a motivação? A própria palavra tem a resposta.

 Motivação é estar motivado para a acção. Perante um cenário que muda a cada segundo das formas mais inesperadas, permanecer motivado para continuar a agir de forma consistente é uma tarefa complexa.

Mais uma vez o Mindset é um dos factores mais importantes a ter em conta para permanecer motivado. Se Mindset = a configuração da mente, a forma como esta está configurada impacta directamente a nossa motivação (ou não) para agir.

No que diz respeito a motivação sem dúvida que é necessário aprender a agir, com ou sem ela. Desta forma, nos momentos em que a motivação está “em baixo”, a execução contínua assegura que no momento em que esta é recuperada algum caminho já foi percorrido quando aquela faltou.

Manter a motivação constante é uma tarefa árdua mas, treinar a consistência, é apenas um hábito e os hábitos fazem-nos agir de forma automática.

2 Saber lidar com Pessoas

Diversos estudos realizados nas últimas décadas apontam o “saber lidar com Pessoas” como um dos factores mais decisivos para o sucesso de qualquer empreendimento. E este skill está à frente, nomeadamente, de competências de natureza técnica.

 Cada Pessoa é uma Pessoa diferente de todas as demais. Esta afirmação é sustentada pela Ciência. No ADN de cada ser Humano, cerca de 0,5% do código genético é único, não existindo no Mundo nenhuma outra Pessoa com um igual. Mesmo gémeos verdadeiros possuem, nomeadamente, impressões digitais distintas. E isto apenas para falar em Biologia.

Se passarmos dos dados ligados à Bios para o campo mais subjectivo do funcionamento da mente, as diferenças são ainda maiores. Um grupo de 100 Pessoas expostas a um mesmo evento podem desencadear facilmente 100 interpretações diferentes desse mesmo evento.

É toda esta heterogeneidade e subjectividade que fazem o “lidar com Pessoas” uma competência tão desafiante.

3 Gerir bem o tempo

 O tempo é sem dúvida o bem mais importante e valioso para todo o ser Humano. Uma vez que se passa o momento, esse momento exacto não volta mais. Torna-se automaticamente Passado. No fundo é como se o Presente fosse caracterizado apenas por uma fracção de segundo que, ao passar, torna-se isso mesmo: Passado.

Hoje em dia vivemos na Era da informação. Na verdade informação nos dias de hoje já não é algo passivo mas sim activo. Isto quer dizer que, antes, para termos acesso a uma informação sobre algo teríamos de ir ao encontro dessa informação. Hoje, essa informação vem directamente até nós muitas vezes sem termos de a procurar de forma activa (recebemos SMS’s, o chat ou as notificações de uma qualquer rede social soa o alerta, e por ai vai).

Sendo empreendedor, todo este fluxo constante de informação, associado aos mais variados estímulos, funciona como um verdadeiro “ladrão de tempo” e, consequentemente de produtividade.

Saber gerir o tempo, o que implica definir prioridades e saber “cortar” esse fluxo constante de estímulos é um desafio, no mínimo, desafiante.

 4 Saber “um pouco de tudo”

A expressão ser um “faz tudo” ganha no empreendedorismo uma nova definição. Ser um empreendedor pressupõe estar comprometido com a aprendizagem constante e sobre as mais variadas áreas.

Implica perceber que o nosso maior activo é o nosso conhecimento. Na verdade, aquilo que nos pode prejudicar é aquilo que desconhecemos e não os conhecimentos que possuímos.

Desta forma, consciente desta realidade, o empreendedor procura, quase que de forma neurótica, saber o máximo possível sobre o máximo de áreas que conseguir. Desta forma, ele procura evitar ao máximo imprevistos causadas por coisas que ele podia saber mas, na verdade desconhece.

Conforme referiu o filosofo Grego Sócrates “só sei que nada sei” e este é precisamente o desafio.Quanto mais se sabe mais se quer saber e quando mais se quer saber mais se sabe que pouco se sabe.

5 Encarar positivamente os imprevistos

Na verdade não podemos controlar o que nos acontece. Apenas podemos, quanto muito, controlar a forma como reagimos ao que nos acontece. Mais uma vez é tudo uma questão de Mindset. O que importa é o que temos na nossa mente.

Perante um qualquer imprevisto, uma Pessoa pode encará-lo como uma fatalidade e uma pura tragédia enquanto outra pode encará-lo como uma oportunidade. Tudo depende dos padrões de pensamento da Pessoa em questão.

Não é por acaso que se diz que as Pessoas de mentalidade pobre têm problemas, ao passo que as Pessoas de mentalidade rica têm desafios.O desafio já pressupõe que vai ser ultrapassado de forma positiva. Está tudo na interpretação subjectiva de cada um em relação à realidade. É a velha história de “o copo está meio cheio ou meio vazio?”.

Tendo em conta que a função do nosso cérebro é garantir a nossa sobrevivência e não a nossa felicidade e que, ao longo do nosso processo de crescimento, logo desde bebés, somos formatados com um sem número de crenças limitantes, encarar positivamente os imprevistos é um verdadeiro desafio.

Achou o artigo interessante? Por favor deixe-nos o seu comentário e opinião!

Share on Google+Tweet about this on TwitterShare on FacebookDigg thisEmail this to someoneShare on TumblrPin on Pinterest
Pedro J. de Moura
Autor: Pedro J. de Moura nasceu em 1991 em Cascais onde estudou. Mais tarde, após concluir o ensino secundário ingressou na Universidade de Lisboa. Os conceitos dogmáticos e as verdades inquestionáveis nunca lhe fizeram muito sentido. Assim sendo, encontrou na Internet um veiculo para se expressar de forma livre e criativa enquanto Autor, Designer e Internet Marketer.

2 comentários

  1. Belíssimo artigo!
    Sintetisa de maneira direta e objetiva que aprendermos a praticar o empreendedorismo pessoal é fundamental para alcançarmos o sucesso profissional em uma empresa ou em um negócio por conta própria.

    (1)

Deixar um resposta